Carta poética - Nijair Pinto

Perdão, mas o amor que você tanto busca eu não posso dar.
Não sei se a vida me fez alheio a tudo que fala ao coração...
Pareço insensato e frio. Pareço tirano, eu sei.
O que talvez você não saiba, ou não perceba, é que apenas pareço.
Tento encontrar minhas verdades, mas não as encontro... Nunca.
Se a barreira que imponho, impedindo simples aproximação,
faz você chorar, depois de momentos tão nossos, geniais;
se após verter cada lágrima, você me tem por sarcástico e gélido...
Como acha que me sinto, não consegue imaginar? Tente!
Não consegue perceber que suas lágrimas são pesadas demais?
Também choro, sabia? Do meu modo e na minha solidão, eu choro!
Choro por não poder consolar cada lágrima que escorre de você;
Choro por não conseguir segurar minha própria lágrima...
Minhas mãos, agora molhadas, parecem suadas e incompletas.
Parecem... Elas enxugam as pálpebras cerradas do meu pranto.
Você sofre e me revela uma tensão existencial que não suporto.
Se choramos sozinhos, não devemos cobrar nada.
Se chorássemos a dois, não seria justo clamar, festejando a solidão.
E se não chorássemos, como seria nossa relação? Fria? Insulsa?
Para amar é necessário sofrer? O amor é sofrimento?
Amar. Sofrer. Sentimento. Dor. Lágrima. Padecer.
Não, não é isso! O amor não pode ser angustiante espasmo.
O amar não deve ser ardor que machuca, que deixa dolorido.
A solidão é reveladora. A solidão... É o fantasma dos covardes.
Estou assombrado, tenho medo de mim, de imaginar-me no futuro.
Por que é tão difícil revelar o que de mim você tanto busca?
Talvez você esteja procurando longe o que tenho dentro de mim.
Pare de olhar ao redor e me dê mais atenção. Olhe nos meus olhos.
Eles não estão taciturnos pelas noites mal-dormidas, não!
Esse olhar triste é apenas a cicatriz da ferida deixada pela dor.
E as lágrimas serviram para realimentar meu coração tão triste.
Acredito no amor... Sei que ele está em mim, claro, ele existe!
Mas o amar exige doação, compartilhamento pleno...
O amar não é apenas o momento da junção carnal, tão rápida.
O amar é, acima de tudo, o despojamento da própria alma.
É por isso que agora choro, por não conseguir me revelar.
Não consigo arrancar a máscara do meu medo para dizer,
na simplicidade da lágrima que cai agora, ingenuamente,
o que tentei, a vida inteira dizer, mas nunca consegui:
eu amo você!

Nijair Araújo Pinto
Fortaleza-CE

4 comentários:

  1. Um poema salgado de muitas lágrimas...!
    Mas em seu verso "Acredito no amor... Sei que ele está em mim, claro, ele existe!"... há uma pitada de açúcar aqui... Parabéns, poeta Nijair!

    ResponderExcluir
  2. Que legal essa sua interpretação do poema, Cris! Sal e açúcar - essa mistura é tranquilizante. Amei! Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. realmente concordo com a moça aí de cima... o texto é agridoce....
    Paulo Júnior Filho

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.